Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page



Logo/Música no Tempo

Guillaume de Machaut – O Maior Compositor Medieval
Guillaume de Machaut – O Maior Compositor Medieval
Guillaume de Machaut – O Maior Compositor Medieval

A Lenda das Amendoeiras em Flor

https://arteemtodaaparte.wordpress.com

/tag/pintura-medieval/

 Música medieval

Guillaume de Machaut – O Maior Compositor Medieval

http://www.spectrumgothic.com.br

/gothic/gotico_historico/obscurantismo.htm

Instrumentos medieval

http://www.musicadeboda.es/indexpo_

archivos/medieval-musica-2.jpg

Bejís Medieval: El traje de los músicos en el S.XII

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Ars nova: Século XIV-XV
Ars nova: Século XIV-XV

 

 

Introdução

No século XIV mudanças começaram ocorrer no campo social em busca de novas projeções, a Europa marcada pela guerra dos cem Anos, criou caminhos para o engendramento de outras sensibilidades em busca de maior complexidade intelectual, no que toca a musica as novas ideias apareceram em um tratado conjuntural chamado de Ars nova escrita por volta de 1322 pelo cônego francês Philippe de Vitry. Vitry foium compositor e teórico cujo trabalho influenciou as práticas de composição de muitas gerações subseqüentes.

Talvez o mais conhecido para um tratado sobre a "Arte Nova" do seu tempo, seus motetos exibem também o uso mais antigo conhecido de isorhythm no moteto tenor. Nascido na França, em 1291, Philippe de Vitry não era apenas um músico famoso e poeta, mas também um bispo, administrador, diplomata e conselheiro político. Passou a maior parte de sua vida em Paris, trabalhando nas cortes francesas de Charles IV, VI Philippe e Jean II, mas viajou muitas vezes como parte de suas atividades diplomáticas. Em uma de suas missões diplomáticas para Avignon, Vitry fez amizade com o grande Petrarca e se tornaram admiradores mútuos, Vitry referindo-se a Petrarca como "o poeta real da França."Vitry foi bastante prolífero durante o período conhecido como o Ars Nova (aproximadamente 1315-1375).

 Em seu tratado teorico detalhou um método novo e revolucionário de notação, um método que permitiu muito maior sutileza e complexidade rítmica. Maior fluidez e expressão na melodia, não mais derivada do gregoriano. Novos conceitos rítmicos, como a isorritmia (igualdade de períodos rítmicos) e uma aproximação ao nosso atual compasso. Maior coerência na sintaxe musical: frases musicais encadeadas com mais lógica musical. Novos conceitos harmônicos, como a cadência final. Surgimento de uma música profana, com total liberdade temática e adaptação de textos não latinos.

Maior liberdade na condução vocal, com o aparecimento de valores mais curtos. O método foi muito para frente pensar e reflete um mundo cada vez mais secular que foi influenciado pelas novas tecnologias e a tragédia da Peste Negra.Guillaume de Machaut foi o principal compositor importante para Ars nova, viveu entre os anos de 1300-1377, entrou para posteridade como um dos primeiro compositor a colocar musica em um texto em uma missa latina.

Essa missa entrou para á historia com o nome missa de notre dame.  A Messe de Notre Dame é composta por cinco partes: Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus e Agnus Dei seguidas pela peça final Ite missa est. às três vozes que eram habituais nas obras polifónicas da época, Machaut adicionou uma quartavoz paracontra tenor.Ao considerar o ordinário da missa como uma unidade musical, rompe com o costume de selecionar fortuitamente as diferentes partes de este a serem interpretadas durante o serviço religioso. Esta unidade se logra principalmente a partir da homogeneidade estilística mais que por qualquer recurso musical propriamente dito. As partes do Gloria e do Credo são compostas num estilo silábico (uma sílaba por cada nota), provavelmente devido ao tamanho dos seus textos.Não é possível saber de maneira certa a forma em que devia ser executada a obra.

No entanto é muito provável que todas as vozes tenham sido dobradas por instrumentos. Esta tese ésustentada devido ao estilo melódico do contra tenor, à presença de breves interlúdios no Gloria e Credo para otenor e contra tenor e a carência de texto para essa voz em algumas das versões manuscritas da missa, o que abre também a possibilidade de que essas vozes tenham sido executadas exclusivamente de forma instrumental, pelo menos durante alguns episódios da obra.

A grande facilidade de escrita proposta por vitry ao novo método de excreta propiciou o desenvolvimento de todo um novo estilo musical, que acabou por receber o mesmo nome Ars nova. Vigorando no século XIV. Porem surgiu uma corrente estética que defendia a beleza autônoma da música, justificada pela maravilha que os sons em si possuem. Ou seja, a música tinha como fim o deleite sensitivo dos sons. Produziu-se uma ruptura quase total com o passado e a consequente agitação deu lugar à condenação eclesiástica da nova música.

Entre os defensores da nova arte está o filósofo francês Jean de Muris (c.1291-c. 1351), para quem “a música é, entre todas as artes, a mais doce, porque nenhuma proporciona tanto prazer em tão breve tempo”. Com essa afirmação proclamava-se, em certa medida, a supremacia da voluptuosidade sobre a razão.  Especialmente na França e na Itália. Em contraposição, a técnica notacional e o estilo do período precedente passaram a ser conhecidos como Ars antiqua (arte antiga).

Suas principais distinções formais e estéticas em relação à fase anterior apareceram nos campos do ritmo, da harmonia e da temática, sendo privilegiados os gêneros de música profana; também foram criadas ou se popularizaram várias estruturas novas de composição, como o moteto e o madrigal. No terreno da notação propriamente dita aperfeiçoou-se o sistema da pauta, se modificaram desenhos e valores de várias notas e se introduziram diversos símbolos inteiramente novos, provendo para os compositores e intérpretes um instrumento gráfico muito mais flexível e exato para descrever e transmitir os avanços técnicos e os crescentes e sutis refinamentos da música prática. No final do período as inovações receberam ainda maior sofisticação, dando origem à escola chamada Ars subtilior, a arte mais sutil.

Embora dois sistemas principais de notação houvessem emergido nos cerca de 150 anos de prevalência dos princípios da Ars nova, um na França e outro na Itália, o sistema italiano não foi capaz de assegurar uma penetração em larga escala, e logo desapareceu diante da maior eficiência do sistema francês. Tantas mudanças foram o reflexo do criativo e inquisitivo período de transição entre a Idade Média e o Renascimento, quando o universo das primeiras fases da Idade Média, dominado quase monoliticamente pela Igreja Católica, deu lugar a uma sociedade mais laicizada, onde a influência do humanismo, da escolástica, de uma tendência a uma abordagem lógica e racionalista do conhecimento, e do pensamento idealista da civilização clássica greco-romana, ora redivivo, se tornaram forças determinantes em toda sua evolução.

O legado dessa fase de intensa atividade e renovação da música foi, na técnica, a sistematização dos componentes essenciais do sistema de notação musical usada hoje em dia e o lançamento das bases da polifonia a várias vozes e da harmonia moderna, e, na estética, a libertação dos compositores de sua dependência das formas eclesiásticas para veicular sua melhor música, possibilitando ainda que suas personalidades criativas individuais ganhassem legitimidade e encontrassem um novo espaço de expressão. Além disso, a Ars nova foi uma inspiração para os compositores do século XX, estimulando pesquisas no terreno rítmico, perceptual, estrutural e harmônico que levaram à revolução de toda a arte musical moderna e também, especificamente, à criação da técnica serial.

As principais escolas na Ars nova

No início do século XIV surgiu uma corrente estética que defendia a beleza autônoma da música, justificada pela maravilha intrínseca que os sons em si possuem. Com isto gerou-se uma ruptura quase total com o passado e a conseqüente agitação deu lugar à condenação eclesiástica da nova arte. A supremacia da voluptuosidade sobre a razão.

França

Na escola francesa destacam-se dois autores na Ars nova: Philippe de Vitry e Guillaume de Machaut.

Itália

O mais conhecido compositor italiano da Ars nova foi Francisco Landino (1325-1397), músico cego e grande organista. Suas obras são comparáveis, em frescor e sensualidade, às da escola francesa.

Espanha

A contribuição espanhola à música da Ars nova é representada pelo Llibre Vermell, do monastério de Montserrat. Foi copiado ao final do século XIV e sua finalidade era entreter aos peregrinos com danças e Cânticos interpretados na igreja ou praça do monastério.